Alvenaria de Blocos Cerâmicos X Drywall

Alvenaria de Blocos Cerâmicos X Drywall

A segunda alternativa diminui os custos com mão de obra e reduz o prazo para quatro meses Por Aline Mariane

 

Para executar as paredes do Nexus-empreendimento misto composto de uma torre coorporativa com 27 pavimentos; uma torre office-hotel com 31 andares; um centro de convenções; dois sub-solos; três pavimentos de shopping e oito decks de estacionamento -, a Consciente Construtora decidiu realizar um comparativo entre o sistema de alvenaria de blocos cerâmicos (convencional nas obras da empresa) e o sistema de paredes de drywall.

O estudo realizado pela equipe de engenharia da construtora visou, primeiramente, comparar os custos na execução do metro quadrado em cada sistema. Para isso, a construtora destrinchou cada etapa de trabalho nos dois sistemas. No de alvenaria de bloco cerâmico, as etapas foram detalhadas conforme processo executivo da construtora: marcação de alvenaria; talisca primeira afiada; alvenaria bloco cerâmico; taliscamento de alvenaria; aperto ou encunhamento de alvenaria; rasgos para instalações hidro e elétricas (enchimento); requadração de vãos (portas); reboco e emboço interno; emassamento PVA; pintura PVA primeira demão; pintura final. Para executar todas essas atividades, conforme cronograma da obra e índice de produtividade histórico da empresa, seriam necessários 18 profissionais e 18 ajudantes envolvidos durante todo o período para a conclusão da “parede acabada”. Nesse sistema, a produção em média de “parede acabada” seria de 4,5 m2/dia. Esse serviço teria duração de 14 meses na metodologia convencional.

No segundo sistema, de drywall, por ser mais industrializado, as etapas de serviço para a “parede acabada” foram reduzidas a: guias superiores, montantes, perfis, instalações, chapas e lã: emassamento PVA; pintura PVA primeira demão e pintura final. Também foi aferida em vários empreendimentos a produtividade média da “parede acabada”, chegando ao valor de 30m2/dia. Sendo assim, mesmo com uma equipe reduzida para oito profissionais e oito ajudantes, o prazo de execução da etapa diminuiu para quatro meses. “Com todos esses dados, racionalizando mão de obra e tempo, viabilizamos a utilização do sistema drywall no Nexus”, explica Leandro Menezes, engenheiro da Consciente Construtora.

Considerando apenas o custo do metro quadrado, a parede de alvenaria de bloco cerâmico chegou a R$ 99,79, enquanto a parede de drywall custou R$ 97,44 – valores aproximados. Os quatro meses de redução de tempo de obra significaram para a construtora uma economia de custos indiretos de R$ 766.800,00.

“Em obras de grande verticalidade e dimensões como o Nexus, a logística racionalizada no abastecimento de materiais, que gera maior produtividade e menor gasto com mão de obra, é vital para o cumprimento dos objetivos de custos, prazos e para a qualidade do empreendimento. Considerando todos esses fatores em conjunto, somados ao bom desempenho acústico, á racionalização e à limpeza da obra, chegamos á conclusão da viabilidade do sistema drywall para o empreendimento”, conclui Menezes.

______________________________Apoio técnico: Leandro Menezes, engenheiro da Consciente Constutora.

 

Esta seção mostra estudos feitos pelas construtoras. As projeções só valem para o caso apresentado. O sistema apontado como mais competitivo pode mostrar-se inviável em obras com outras características e dimensões. O estudo apresentado não deve ser tomado como padrão estrito para decisões de orçamento e escolha de materiais ou sistemas. Construtoras poderão evitar estudos comparativos para a publicação nesta seção. Fale com a Redação pelo telefone (11) 2173-2303 ou envie um e-mail para construção@pini.com.br

 

Fonte: Revista Construção Mercado, páginas 6 e 7, Janeiro de 2017

<< Voltar ao índice